quinta-feira, 18 de março de 2010

Chamado - uma escuta silenciosa

Em nossos dias temos muita dificuldade para entender o que significa chamado, principalmente quando nos referimos a uma vida agitada das grandes cidades. Neste ambiente, muitas coisas dificultam o silêncio interior do ser humano, a saber, os ruídos sonoros, a poluição visual ou outras coisas que nos dispersam no dia-a-dia.

Neste pequeno ensaio sobre o chamado, quero focar justamente o sentido desta palavra quando a usamos no português, já que o termo vocação, do latim Vocare (chamar) hoje se esvaziou, por ser usado para tantas coisas. Por exemplo, faz-se grande confusão entre profissão e vocação. Muitas pessoas confundem habilidade técnica com vocação-para. Por isso, o verbo chamar deseja expressar uma escuta silenciosa de alguém que emite um bom som, sendo que nesta escuta silenciosa, nasce um desejo interior de livremente responder, e esta resposta independe das habilidades técnicas, pois o chamado que Deus nos faz já conta de antemão com o todo que nós somos.

Assim sendo, podemos compreender o que a experiência bíblica quer nos ensinar quando usa o termo chamado/vocação. Nesta experiência existe um emissor e um receptor. O emissor diz aquilo que deseja transmitir, o receptor escuta atentamente. Outro detalhe: o receptor é chamado pelo seu nome, isto é, na sua particularidade, naquilo que ele é.
Para explicitar isto que falamos tomemos por base o texto de Jr 1, 4-8:

Recebi a palavra de Javé que me dizia: “antes de formar você no ventre de sua mãe, eu o conheci; antes que você fosse dado à luz, eu o consagrei, para fazer de você profeta das nações”. Mas eu respondi: “Ah, Senhor Javé, eu não sei falar, porque sou jovem”. Javé, porém, me disse: “não diga ‘sou jovem’, porque você irá para aqueles a quem eu o mandar e anunciará aquilo que eu lhe ordenar. Não tenha medo deles, pois eu estou com você para protegê-lo – oráculo de Javé.

O relato nos diz que o Senhor mostra seu objetivo a Jeremias e nas suas palavras o Senhor expressa que o conhecia já bem antes do ventre de sua mãe. Em seguida diz que o chamou para ser profeta das nações.

Ninguém é chamado do nada e para nada. O emissor deixa claro o que deseja transmitir e o receptor decide se deve executar ou não, dentro da sua liberdade. Este chamado independe de habilidades e competências que foram adquiridas pelos anos, pois o Senhor que chama conta de antemão com tudo aquilo que somos. Por isso, um instante de silêncio diário nunca é demais para meditar no chamado que Deus nos faz constantemente em nossa vida.
Desta forma, procuramos nas nossas comunidades intensificar cada vez mais os nossos encontros vocacionais, para que melhor possamos auscultar qual o chamado que Deus nos faz constantemente neste mundo tão agitado e disperso.
___________________________
Frei Arnaldo Aragão Bastos OFMConv

2 comentários:

  1. Olá Frei Rodrigo,

    escrevo como leitora do teu blog para te agradecer por ter citado meu site na tua lista de sites.
    um grande abraço

    Rosana

    ResponderExcluir
  2. saludos y muchas bendiciones desde paraguay

    ResponderExcluir